imagem:www.projetodiferenca.xpg.com.br/__imagelib/f5...


Concurso «Uma Aventura... Literária 2008»


Uma Viagem ao Fundo do Mar


Era um dia solarengo de Verão. O sol aquecia a praia deserta e Marina, uma menina ruiva com canudos e olhos verde-mar, passeava descalça na areia quente e doirada. Vestia um vestido brilhante e azul e tinha oito anos de idade.
Enquanto passeava encontrou uma estrela-do-mar cor de laranja, olhou bem para ela com os seus olhos muito abertos e levou-a para o mar azul e sereno que libertava um suave cheiro a maresia. A estrela levantou-se e disse:
- Obrigada por me teres salvo, já estava a ver que secava ao sol! Muito obrigada, mereces uma recompensa! Amanhã ofereço-te, gratuitamente, a viagem dos teus sonhos…”Uma viagem ao mar”!
Marina, ao ouvir estas palavras, começou a sentir o seu coração aos pulos. Nem acreditava que fosse verdade. Rapidamente começaram-lhe a aparecer interrogações na sua cabecinha: «Como é que ela sabe que eu adorava ir ao mar?», «Será que estava a sonhar?», «Ou talvez…». O entusiasmo era enorme! Realmente tudo aquilo precisava de uma explicação!
No outro dia, Marina foi à praia e ficou lá sentada numa rocha rugosa. De repente ouviu uma voz a chamá-la:
- Marina! Cheguei!
Virou-se para trás e viu a estrela-do-mar à sua espera.
-Então, estás pronta? – perguntou-lhe a estrela-do-mar.
-É claro! – respondeu-lhe Marina com os seus olhinhos a brilhar.
Chegaram à beira-mar e mergulharam. De repente, Marina sentiu-se feliz e teve vontade de cantar. O Mar era uma maravilha! Milhares de peixes, de variadíssimas espécies e feitios, brincavam e dançavam no extenso mar azul enquanto eram envolvidos por pequeninas bolhas.
Marina deitou-se na areia do fundo do mar, com a sua amiga, e observou aquele espectáculo! Havia tartarugas, grandes e pequenas, que deslizavam com um ar presunçoso e vaidoso. As rochas estavam cobertas de lapas, conchas e búzios de todas as cores. Havia anémonas, mantas e tantas maravilhas sem descrição possível. Marina estava encantada.
De repente, Marina sentiu um arrepio na espinha e viu uma mancha cinzenta e gigantesca a aproximar-se. Todos os peixes e criaturas marítimas se esconderam e Marina, sem reacção, ficou paralisada a olhar para aquele enorme tubarão. Este, com a sua voz firme e grossa disse num tom grave:
- AH! Pelos vistos ainda há seres humanos a visitarem estes mares! Pois bem, a partir de agora vais ser minha prisioneira!
E, sem mais nem menos, arrastou a pobre Marina pelo mar adentro. A estrela-do-mar, sua amiga, tentou salvá-la mas era tarde demais. Marina foi levada pelo poderoso tubarão para uma gruta grande e gigantesca. Lá, foi presa a um canto. Estava tão nervosa que pequenas lágrimas escorreram-lhe pela sua carinha…
Entretanto, no outro lado do mar, a estrela-do-mar já organizava equipas de busca e lá iam elas à procura de Marina. O caso estava complicado!
Passaram-se dias... semanas… e ninguém sabia o que fazer.
O tubarão andava sempre a guardar a gruta e, às vezes, fingia que se ia embora, e ficava à espreita a ver se, por acaso, ela fugia.
Um dia, já mais confiante, o tubarão resolveu dar um passeio e esqueceu-se completamente que Marina podia fugir. Esta, ao aperceber-se de que havia caminho livre, saiu da gruta e foi a nadar rente à areia solta e encontrou todas as criaturas marítimas muito tristes. Quando estas a viram ficaram tão contentes que organizaram uma grande festa, onde a estrelas-do-mar dançaram com os seus bracinhos muito graciosos, onde os caranguejos fizeram sapateado com as suas pinças e onde as algas fizeram a dança do ventre.
O tubarão, quando regressou à gruta, viu que Marina tinha fugido e ficou tão furioso que fugiu para longe.
Quando as criaturas do mar souberam da notícia dada pelos búzios, ficaram muito contentes!!!
Nessa noite, a estrela-do-mar pousou Marina na areia da praia e disse-lhe:
- Espero que tenhas gostado desta viagem ao mar!
- Oh sim! Gostei bastante, muito obrigada. – respondeu Marina. Mas antes que pudesse dizer mais alguma coisa… já estava a dormir profundamente, aconchegadinha nas areias finas da praia.



Inês Mota Marques, n.º 11, 6ºB
Escola Básica dos 2º e 3º ciclos D. João II- C. da. Rainha

2 comentários:

Anónimo disse...

Olá Inês!Olá professora!Está tudo bem? Parabéns, gostei muito do teu texto!
bjs, Mariana Rebelo

Beatriz da Branca disse...

Olá!!!

Quero dar os Parabéns à Inês, o texto está fantástico!

Adeus,
Bjs,
Beatriz da Branca