Concurso «Uma Aventura... Literária 2008»
A confusão do berlinde

Era uma vez um menino chamado José Carlos que era muito pobre. Vivia numa aldeia muito pequena e onde pouca gente vivia. Essa aldeia chamava-se Vilaverona.
José Carlos vivia com sua mãe Maria Natividade e seu pai Anacleto.
Eis que um dia, quando José andava a brincar num dos campos da aldeia, viu um objecto a brilhar no meio da erva. José perguntou para si mesmo:”O que será aquilo?”
Quando foi ver, reparou que era um objecto redondo, pequeno e colorido. Era um berlinde!
José foi a correr para casa, todo contente por ter encontrado um berlinde.
- Mãe, mãe! – gritou José entusiasmado.
- Diz filho, mas depressa eu estou a trabalhar para conseguir sustentar a família – disse a mãe
- Encontrei, encontrei…- disse o José
- Mas o quê? O que é que tu encontraste? – perguntou a mãe admirada.
- Mãe, eu encontrei um berlinde!!!
- Boa, filho! – disse a mãe. E continuou:
- Sabes filho, eu tenho uma boa notícia para ti. Eu e o teu pai, esta noite, temos de ir trabalhar, por isso a tua tia Felicidade vem tomar conta de ti e traz a tua prima Maria das Dores.
- Que bom elas virem, mas é mau tu e o pai terem que ir trabalhar.
- Não há problema, amanhã brincamos os três, está bem, filho?

TLIN, TLAM! – ouviu-se a campainha da porta.
- Deve ser a tua tia e a tua prima - avisou a mãe do José Carlos.
- Eu vou abrir.
- Está bem, filho.
A mãe e o pai do José Carlos foram-se embora, a tia foi fazer o jantar e os meninos foram para o quarto brincar. Passado um bocado ouviu-se um grito:
-Ah! Aaah!!!
- Não me tires o meu berlinde, não, não e não.
- O que é que se passa aqui meninos? Estão a portar-se muito mal.
- Ó tia, a prima está a tentar tirar o meu berlinde que encontrei hoje.
- Maria das Dores, porque é que fizeste isso?
- Ó mãe, eu só estava a ver, não fiz nada de mal.
- Meninos façam as pazes e venham comer porque o jantar já está pronto. É lasanha!
- Uhh! Que bom! – disseram os meninos em coro.
Quando estavam a jantar, a prima Maria das Dores pediu para ir à casa de banho, mas não foi, foi ao quarto do primo buscar o berlinde. Desceu para a cozinha e continuou a jantar. Passado um pouco ouviu-se um grito:
-Tia, tia, o meu berlinde desapareceu!!!
- Primo, desculpa, fui eu, nunca tive um berlinde…
- Não há problema, eu desculpo-te. Sabes, eu também nunca tive nenhum. Este que eu tenho, encontrei-o num campo. Olha, prima, como eu gosto muito de ti, vou dar-te o meu berlinde colorido.
- Obrigada, primo!
Finalmente acabou tudo bem entre os primos.
- Meninos, agora vão lavar os dentes e vão para a cama, porque os teus pais devem estar quase a chegar, e a tua prima fica cá a dormir.

AQUI FICA UM BOM EXEMPLO DE
COMO UMA FAMÍLIA SE PODE
ZANGAR, MAS ACABA POR
FICAR SEMPRE TUDO
BEM!!!
Mariana Vila Verde nº19 - 6ºB
Jessica Cordeiro nº12 - 6ºB
Mariana Mendes nº18 - 6ºB






1 comentário:

Beatriz da Branca disse...

Olá!

Parabéns!

O texto está muito giro!


Bjs,
Beatriz da Branca